Estudantes de Tijucas assistem peça de teatro sobre preconceito e bullying

13/04/2017 10:10

Estudantes da rede municipal de ensino de Tijucas participaram na quarta-feira (12) de uma palestra teatro sobre bullying. A peça foi encenada pelo artista Ed Soul e faz parte do projeto Troca de Ideias, do instituto Nexxera. A iniciativa de trazer o espetáculo para Tijucas foi da coordenadora do Programa de Saúde nas Escolas, Andrea Agripo.

“Precisamos tratar deste tema de forma constante nas escolas já que infelizmente é uma prática comum na nossa sociedade, principalmente entre crianças e adolescentes. Por trazer inúmeros prejuízos ao desenvolvimento do cidadão, a abordagem do assunto se faz extremamente necessária, como forma de conscientização”, diz a coordenadora.

A peça teatral em formato de monólogo teve três atos. No primeiro, Ed Soul se apresenta com a personagem Luana Goreth, uma professora manezinha. Negra, de meia idade, Luana nasceu homem, mas sua feminilidade aflorou durante a adolescência nos guetos catarinenses. Neste momento teve início o espetáculo intitulado “Feio é ser melhor”, onde a professora se detém de diversas informações sobre o início do “bullying”, sua proliferação, os danos, os traumas e a violência.

No segundo ato da peça, as abordagens tomaram novas dimensões e as diferenças foram colocadas à prova. Neste momento do espetáculo o ator mostra que o diferente é e deve ser tratado como igual. As abordagens dos temas relacionados ao tom de pele, à altura, ao excesso de peso, à sexualidade e, claro, às classes sociais, foram os pontos altos desta etapa.

O terceiro e último ato mostrou a desmontagem da personagem, ou seja Ed Soul começou a aparecer por trás da maquiagem, removida em cena com um discurso contundente. O final do espetáculo foi chocante e fez com que o público presente entendesse que o futuro sem preconceitos e sem bullying depende única e exclusivamente dele.

“Foi uma ótima experiência para todos e devido ao sucesso com os estudantes, vamos buscar a realização de mais iniciativas como esta”, diz a coordenadora.

(Texto: Karina Peixoto Silva | Fotos: Larissa Souza)